...

B. O. ANIMAL

Página de Registros, o Blog B.O.Animal ajuda a denunciar e arquivar casos testemunhados por Protetores e Simpatizantes da Causa Animal para não se deixar esquecer dos agressores (nem sempre punidos) e cúmplices de maus tratos e ocultação da verdade. Além de oferecer matérias importantes e interessantes sobre a vida animal, saúde, idade, alimentação, receitas caseiras, tirando dúvidas entre leitores sobre tratamentos e socorros!

Demos o primeiro passo, buscamos apoio e lutamos por Justiça às Vítimas, fatos que foram testemunhados e registrados por Protetores e Simpatizantes da Causa Animal são divulgados e arquivados, não conheceríamos os três maiores criminosos de outra forma: CAMILA CORREIA, DALVA LIMA DA SILVA e CLÁUDIO CÉSAR MESSIAS.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Estuprador de cadela continua impune - Pelotas


Cadela morre após estupro por mais de um ano
Praticante de Zoofilia permanece impune e com a posse de outro cão

Enviado por: Denuncie Maus Tratos Pelotas


"A Gina é uma cadelinha que resgatamos de abuso sexual, ela era abusada por um tarado de 35 anos a mais de 1 ano e meio, sua mãe sabia de tudo e nada fez, quando uma vizinha lhe perguntou o porque de ela deixar isto acontecer ela disse que a Gina gostava então a vizinha lhe disse "mas como ela pode gostar se ela grita demais?" A mãe do tarado disse que gritava de faceira pois depois do ato ela vinha abanando o rabo. Ela foi encaminhada para o veterinário que constatou o abuso e entramos judicialmente contra estes agressores (mãe e filho).

Infelizmente Gina faleceu esta noite do dia 18 de setembro de 2012, vítima de inúmeros estupros, com os órgãos sexuais totalmente rasgados e exteriorizados. Morreu devido a um prolapso retal. Residente no bairro Fragata, rua Dom Luis Nadal, número 79, o estuprador Alex segue impune! Vale registrar que a mãe do rapaz tinha conhecimento de tudo, e alegou que a cachorrinha "gritava de faceira" ao se referir aos episódios de estupro praticados pelo filho! Quando na verdade gritava de dor,medo e desespero!"




Não aconteceu nada com o estuprador e além disso ele está com a posse de outra cadela,porém ele esconde ela fora de casa com ajuda de vizinhos.


Gina após ser resgatada

Protetores e Simpatizantes da Causa Animal solicitam que assinem Petição e divulguem contra este crime pois Alex já estaria com a posse de outro cão.

PETIÇÃO PARA ASSINAR:

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Massacre de no Canil da Ulbra é investigado - RS

RS: Polícia investiga suspeita de extermínio de animais em faculdade

Gravações, feitas por funcionários da limpeza que participavam da matança, são de 2008. Por telefone, eles recebiam as orientações de uma professora.


                           Assine Petição no final da matéria


Fonte: G1

A polícia do Rio Grande do Sul investiga uma denúncia de extermínio de cães em uma das principais universidades do estado. A reportagem é de Giovani Grizotti e Rosane Marchetti.
Imagens gravadas no hospital veterinário da Universidade Luterana do Brasil (Ulbra), em Canoas, mostram animais sendo sacrificados com injeções. Nem os filhotes são poupados.
As gravações, feitas por funcionários da limpeza que participavam da matança, são de 2008. Por telefone, eles recebiam as orientações de uma professora.
Estudante: “Ô, professora, eu peguei o Faísca”.
Professora: “Tá, e ninguém viu?”.
Estudante: “Não, ninguém viu”.
Professora: “Tá, só certifica que ele tenha morrido bem”.
Estudante: “Eu vou fazer do jeito que a senhora falou aquele dia, na caixa torácica. Daí é mais fácil, né?”.
Professora: “Ah, tá”.
O repórter Giovani Grizotti localizou o funcionário João Cláudio Arce da Silva, que gravou a conversa. Ele confirmou que matava os animais.
“Era pela madrugada. Nós ‘tinha’ a chave do hospital”, conta o ex-funcionário da Ulbra.
Segundo ele, as ordens partiam da professora Carla Koeche, que era vice-diretora do hospital veterinário. Ela nega.
“Nenhum desses sacrifícios, dessas eutanásias foram realizados com alguma deliberação, com alguma autorização de algum diretor, de alguma chefia de dentro do hospital veterinário”, afirma a médica veterinária.
Além de João Cláudio e Carla, a polícia indiciou a diretora do curso de veterinária na época, Norma Rodrigues, e outro professor da faculdade, Carlos Petrucci. Todos negam participação no caso. Um funcionário da limpeza, Eneias Winck, também foi indiciado.
Segundo a polícia, os cinco vão responder pelo crime de formação de quadrilha. Por maus tratos, eles não podem mais ser julgados, porque o crime, cometido em 2008, prescreveu. Os motivos da matança ainda não foram esclarecidos.
"Aparentemente injustificadamente, ou seja, animais saudáveis, que em função do grande número, em função do barulho que causavam, enfim, era determinado o sacrifício dos mesmos”, indica uma delegada.
A Ulbra diz que ao saber dos casos este ano, denunciou os crimes ao Ministério Público e ao Conselho de Veterinária.
“A palavra que pode ser dita é repugnância. E essa repugnância então ensejou essas duas denúncias para verificar se a autoria e os fatos são verídicos e dar os encaminhamentos penais devidos a cada um dos que cabem receber a punição pelo que fizeram”, afirma o assessor jurídico da Ulbra, Jonas Dietrich.
Nenhum dos suspeitos trabalha mais na Ulbra. A polícia ainda não sabe quantos animais foram mortos.
ASSINEM ESSA PETIÇÃO CONTRA A POLÍTICA CRUEL DOS CCZS PORQUE ESSAS DUAS SITUAÇÕES PRECISAM ACABAR.

Fonte: Protetores Facebook

A PETIÇÃO, ASSINADA PELA SOCIEDADE PARA EXIGIR MUDANÇAS NA POLÍTICA CRUEL DOS CCZs DE TODO O BRASIL


E O RELATÓRIO PARA UMA MELHOR COMPREENSÃO DESSA CAMPANHA


terça-feira, 6 de novembro de 2012

Açougueiro mata Cão com faca de trabalho - RJ

Açougueiro esfaqueia Cão na porta do trabalho
Cão agonizou até a morte

Fonte: Apoio político em defesa dos animais - Protetores Facebook

Um homem açougueiro identificado como Chico, foi denunciado por esfaquear um Cão em frente ao seu Açougue. O fato ocorreu em Miracema/RJ e foi acompanhado por testemunhas. A Polícia foi acionada mas não compareceu ao local e o cão agonizou até morte.

Divulgado no Facebook a imagem do criminoso e rastros de sangue do animal que tentou fugir após o ataque.



Protetores e Simpatizantes da Causa Animal buscam pela internet união para registrar crimes como este no Ministério Público. 

A falta de interesse das pessoas em reclamar Direitos e Deveres também é um fato crítico na busca pela presença da Polícia e Justiça. 

Crimes absurdos são cometidos contra Animais diariamente, em sua maioria há Testemunhas que permanecem em silêncio, acabam por se tornarem cúmplices de tal covardia. Não seja um comparsa, denuncie e busque socorro ao Animal ferido!


Delegacia de Meios Eletrônicos de São Paulo
dig4@policia-civ.sp.gov.br / (11) 6221-7011 / R 208 e 209
Avenida Zaki Narchi, 152 - Carandiru/São Paulo/SP


Lembrando que é Crime: Sites, comunidades e perfis que incitem ou façam apologia aos maus tratos com animais é crime:
- Incitação a Crime - Art. 286 do Código Penal
- Apologia de Crime ou de Criminoso - Art. 287 do Código Penal


- IBAMA - Linha Verde: 0800 61 80 80
Disque Meio Ambiente: 0800 11 35 60
- Corpo de Bombeiro: 193
- Polícia Militar: 190
- Ministério da Justiçawww.mj.gov.br
 
 São Paulo
Disque-Denúncia
  181 (ligação gratuita disponível para moradores da Grande São Paulo)

- Ministério Público - SP
   (11) 3119-9015 / 9016 / R. Riachuelo, 115 - Centro - SP

- Promotoria de Justiça do Meio Ambiente
   (11) 3119-9102 / 9103 / 9800

- Corregedoria da Polícia Civil
   (11) 3258-4711 / 3231-5536 / 3231-1775   /  R. da Consolação, 2.333 - Centro - SP

- Corregedoria da Polícia Militar: 0800 770 6190
 
- Secretaria de Segurança Públicawww.ssp.sp.gov.br

- Polícia Militar Ambientalwww.polmil.sp.gov.br
 
PMSP - Comando de Policiamento Ambiental - Efetivo: 2244
  (11) 5082-
3330 / 5008-2396 / 2397-2374
 
Delegacia do Meio Ambiente: (11) 3214-6553

Ouvidoria da Polícia: 0800-177070 / www.ouvidoria-policia.sp.gov.br

- Prefeitura de São Paulohttp://sac.prodam.sp.gov.br
 
Superintendência do Ibama: (11) 3066-2633 / (11) 3066-2675

- Ouvidoria Geral do Ibama:
   (11) 3066-2638 / 3066-2638 / (11) 3066-2635 / lverde.sp@ibama.gov.br

 
Distrito Federal
- ProAnima: (61) 3032-3583
- Delegacia do Meio Ambiente da Polícia Civil: (61) 3234-5481
- Gerência de Apreensão de Animais: (61) 3301-4952
- Ministério Público: (61) 3343-9416


Rio de Janeiro
- Ministério Público: (21) 2261-9954