...

B. O. ANIMAL

Página de Registros de Denúncias, Notícias e Informações da Causa Animal.

domingo, 30 de outubro de 2011

Violência contra Animais em Vargem Grande - SP


Aumento da violência

Somente em outubro, seis casos de maus-tratos a animais foram registrados em Vargem Grande (SP)

30 de outubro de 2011


Vinte filhotes abandonados e seis cães vítimas de agressões foram socorridos em três semanas
Duas cachorras pit bull foram abandonadas. Uma delas (foto abaixo) foi recolhida na região do Terminal Rodoviário de Vargem Grande (SP) e apresentava sinais de agressão. Cholo, um vira-latas de três anos, teve parte de suas costas ferida com óleo fervente no último final de semana. Casos de violência contra animais aumentam e falta de local adequado para atendimento continua sendo problema.
Pit bull abandonada e agredida (Foto: Reprodução)
Um cãozinho de pelo castanho-avermelhado e olhos claros bastante vivos foi uma das últimas vítimas da crueldade de pessoas que não respeitam o direito dos animais. Cholo, um vira-latas de três anos, teve parte de sua nuca ferida com óleo fervente no último final de semana. Essa é uma das histórias tristes acompanhada por Evânia Coracini, voluntária que luta pelo direito dos animais em Vargem Grande do Sul. Somente neste mês, ela foi chamada para atender outros cinco casos de maus-tratos a animais. Abandono, crueldade e descaso sempre fazem parte das ocorrências que ela atende.
Cholo, um vira-latas, teve parte de suas nuca ferida com óleo fervente. (Foto: Reprodução)
O caso de Cholo foi registrado na terça-feira, dia 18. Ela foi avisada por denúncia anônima que o cachorro estava com o ferimento em uma casa na Vila Santana. Com o auxílio da prefeitura, que disponibilizou um carro para atendê-la, Evânia foi até a casa de José Antônio dos Santos, 23 anos, para levar o cão para ser medicado. Santos negou ter sido o autor da agressão e contou que reparou que o cachorro estava ferido na segunda-feira, dia 17. Ele disse que procurou um veterinário e gastou R$ 60,00 em medicamento para tentar conter o problema. Santos afirmou que já estava com tudo pronto para visitar a esposa e o filho na Bahia e que deixaria Cholo sendo cuidado pelo colega que mora com ele. Para Evânia, o fato de Santos ir viajar pode caracterizar abandono.
Na terça-feira, ela recolheu Cholo para buscar tratamento para o cãozinho. A voluntária disse que os animais estão sendo socorridos, mas destaca que houve um aumento considerável nos casos de agressões. Há duas semanas ela recolheu uma cachorra da raça pit bull que foi abandonada na Vila Polar, com um tumor. Na semana passada, outra cadela pit bull possivelmente vítima de agressão foi encontrada perto do terminal rodoviário. No dia 16, uma cachorra vira-latas foi socorrida por Evânia. Ela estava amarrada a uma árvore em uma propriedade na região da Estrada das Perobeiras, com um filhotinho ao lado. Os outros tinham sumido. Alguns dias antes, uma outra cachorra com tumor foi recolhida. Ainda na semana retrasada, uma cachorra idosa, com pelos brancos, foi recolhida na avenida Teotônio Vilela. Além disso, foram recolhidos 20 filhotes de cachorros abandonados.
Ação limitada
Evânia afirma que não sabe o que levou ao aumento de casos de maus-tratos a animais. “Não tem lógica esse aumento da violência”. Ela explica que, além das agressões, o abandono continua alto na cidade. “O município apoia. A prefeitura mantém parceria para o projeto de castração de animais e dá todo o respaldo possível. Mas o problema é ainda para onde levar esses animais. Não temos um lugar adequado. As pessoas ligam, pedem ajuda, mas não temos como atender em local adequado”, observou. Desde que a Associação Protetora dos Animais de Vargem Grande do Sul (Apava) encerrou suas atividades, não existe uma entidade para exercer esse papel na cidade.
Adoção
O abandono de filhotes é um dos principais problemas em relação à guarda responsável de animais de companhia na cidade. Há três semanas uma família do Jardim redentor cuida de três cachorrinhos abandonados nas imediações do bairro. As duas fêmeas e o macho estavam muito magros e foram alimentados e medicados. Um deles foi atropelado e a família custeou o tratamento. Atualmente, eles estão tentando angariar dinheiro para vacinar os filhotes que aparentam ter dois meses. No entanto, eles não podem manter os animais e estão procurando outras famílias para adotarem os cãezinhos. Os interessados devem entrar em contato pelo telefone 8176-4311 e conversar com Fátima.

Animais famintos em Universidade


UESC/Ilhéus

Animais estão passando fome em universidade da Bahia

30 de outubro de 2011


Instituição teria deixado de fornecer ração; estudantes protestaram. (Foto: Reprodução/ Bahia Notícias)
Professores e estudantes do curso de Medicina Veterinária da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), em Ilhéus, no sul baiano, denunciaram neste sexta-feira (28) que os animais sob a guarda da instituição são vítimas de maus-tratos.
De acordo com a denúncia, a UESC deixou de fornecer ração e os bichos estão passando fome. Na última quinta-feira (27), eles realizaram um protesto em frente à Reitoria, onde expuseram os animais debilitados pela falta de alimento. De acordo com o site ‘Pimenta na Muqueca’, o reitor está em viagem pela Colômbia e, até o momento, a instituição não se pronunciou sobre o caso.

Cadela Maggie é baleada ao evitar roubo


29/10/2011 20h35 - Atualizado em 29/10/2011 20h35

Cadela evita roubo e é baleada em 



Araçatuba, SP


Homem armado tentou invadir uma casa, mas foi impedido pelo cão. 
Moradores tinham sido rendidos pelo ladrão. 

Do G1 SP, com informações da TV Tem
68 comentários
Cadela Maggie, da raça sharpei, se recupera em clínica veterinária (Foto: Reprodução/TV Tem)Cadela Maggie, da raça sharpei, se recupera em clínica veterinária (Foto: Reprodução/TV Tem)
A cadela 'Maggie', da raça sharpei, que enfrentou dois bandidos durante um assalto virou heroína em Araçatuba, a 527 km de São Paulo. Maggie tem 3 anos e uma coragem que impressiona. O bandido armado já tinha rendido a família quando ela atacou. Foram momentos de muito medo. A cadela acabou baleada.
As marcas de sangue ainda estão no chão da casa. O assaltante fugiu sem levar nada. E, antes mesmo de chamar a polícia, a família socorreu a cadela. O veterinário que estava de plantão percebeu que a situação era grave.
Ela está debilitada. Por isso, deve ficar em observação por pelo menos uma semana. Mas os veterinários acreditam que a recuperação dela será bem rápida. Quando voltar para casa, Maggie receberá muito carinho, promete a família.